Rua Pará, 50 cj.21 - Higienópolis - São Paulo-SP, Tel: (11) 3255.3437

Perguntas Frequentes (Implantes)

Perguntas e Respostas em Implantes
Especialista: Dr. Eduardo Machado de Carvalho

1- O que é implante dentário?

Implantes Dentários são “ raízes” artificiais implantadas na maxila e mandíbula através de uma pequena cirurgia.
São pinos confeccionados em titânio comercialmente puro e se parecem com parafusos. Com técnica moderna e eficiente, o implante odontológico é um tratamento confiável e que trás bem estar ao paciente.
Os implantes permitem: estabilizar sua dentadura, trocar sua dentadura ou prótese parcial removível por uma prótese fixa e repor dentes perdidos sem desgastar os vizinhos. Ainda melhoram sua qualidade de vida, eliminando muitas das inseguranças associadas às dentaduras ou pontes móveis, além de aumentarem sua eficiência mastigatória e estética.
Após a cirurgia para instalação dos implantes, é necessário que se espere por um período de 3 meses para que haja a cicatrização óssea e com isso o implante se una ao osso. Durante esse tempo usa-se uma prótese provisória que não sobrecarrega o implante. Essa união é chamada de osseointegração. Nesse período de cicatrização devem-se tomar todos os cuidados necessários para uma boa reparação, seguindo todos os cuidados de pré e pós-operatório.

2 - O Que é OSSEOINTEGRAÇÃO?

É o processo pelo qual o implante se integra ao osso, apresentando-se fixo, sem mobilidade ou sintomas durante as forças mastigatórias.
Quanto tempo dura o tratamento?
Em geral, a fase da osseointegração dura de 3 a 4 meses e a prótese é concluída no prazo de 1 mês.
Este tipo de tratamento é relativo e específico para cada paciente associado ainda ao tipo e procedência do implante o tratamento pode demorar 24h, 3 dias, 4 semanas até 6 meses.

3 - Os implantes dentários podem ser colocados em outras partes do corpo?

Sim, em cirurgias realizadas por médicos ortopedistas. Estes implantes dentários também são de titânio, similares aos implantes dentários realizados na boca, variando na forma e tamanho. São colocados em outras regiões do corpo com finalidades protéticas parecidas com as dentárias. São colocados, por exemplo, no processo mastóide (osso atrás da orelha) para segurar próteses auriculares, outros no orbital para sustentar próteses oculares e também no osso facial para fixação de próteses nasais. Fora da cabeça, implantes dentários também estão sendo colocados nas falanges remanescentes de dedos perdidos, com propósito de fixação de prótese com dedos artificiais.

4 - Existe a rejeição dos implantes?

Não. Rejeição ocorre quando um órgão é transplantado de uma pessoa para outra (Ex: coração, rins, etc.).
Esta seria a resposta do organismo frente ao corpo estranho.
Nos implantes dentários não ocorrem rejeições, primeiramente porque não são transplantes e também porque não são órgãos, e sim, metais e logicamente são estéreis.
Apresentam características que o organismo aceita, chamadas de bio-compatíveis e bio-inertes.
O que pode acontecer é o insucesso, ou seja, não ocorrer união do osso ao implante, e isto pode acontecer após a cirurgia mesmo, antes ou após a colocação do dente. Este fato representa um índice muito pequeno, cerca de 3 % dos casos, onde é indicada a instalação de implantes. Se houver possibilidade de recolocá-lo, o mesmo será feito, porém, se não for possível esta recolocação por algum motivo, outra solução protética será oferecida.

5 - Ficarei sem dentes durante o tratamento?

Durante o seu tratamento com implantes dentários, o dentista terá condições de colocar em você uma prótese provisória, que será usada durante o período de cicatrização dos implantes dentários. Freqüentemente é possível ter um dente provisório fixo.

6 - É necessário realizar algum tipo de tratamento antes de colocar os implantes dentários?

Em alguns casos, sim. Deve-se eliminar qualquer processo infeccioso pré-existente na cavidade oral, ou seja, tratamento periodontal (gengival), extração de dentes com focos de infecção, bem como tratamentos endodônticos (canais) devem ser realizados anteriormente à implantação. Todos esses aspectos fazem parte de um planejamento inicial realizado pelo profissional, que deve ser discutido abertamente com o paciente, antes do início do tratamento.

7 - Quais os riscos de uma cirurgia de implantes dentários?

Quando a cirurgia é executada com a técnica correta , os riscos são mínimos. A cirurgia é feita, normalmente, com anestesia local e são muito mais simples que outros procedimentos cirúrgicos odontológicos, como a extração de um dente incluso, por exemplo. O pós-operatório é muito bom e a maioria dos pacientes não relata qualquer incômodo maior.

8 - Instalar implantes dentários causa alguma dor?

Não. Obviamente trata-se de um procedimento cirúrgico e pode ocorrer certo edema (inchaço), especialmente nos primeiros dias de pós-operatório. O edema é proporcional ao porte da cirurgia. Cirurgias de enxerto ósseo costumam provocar maior edema. Entretanto, existem medicações específicas para o controle da inflamação pós-operatória, assim como antibióticos (remédios que combatem infecção) e analgésicos, que o cirurgião poderá prescrever em caso de necessidade.

9 - O que é uma cirurgia de enxerto ósseo?

Um enxerto ósseo é um procedimento cirúrgico para acrescentar altura ou largura ao osso maxilar e/ou mandibular, visando aumentar seu volume para colocação de um implante dentário em regiões que seriam inviáveis para tal prática. Eles podem ser feitos em uma cirurgia prévia à implantação e, nesse caso, os implantes dentários serão colocados após um período de cicatrização óssea de 6 a 12 meses. Quando possível, o enxerto ósseo é realizado na mesma cirurgia de colocação dos implantes dentários.
Já no transplante ósseo, o osso a ser colocado vem de um banco de ossos, de uma doação. O paciente não precisa remover osso algum e ainda tem um procedimento totalmente realizado no consultório, apenas com anestesia local. É o chamado enxerto alógeno, no qual se utiliza o osso de outra pessoa, um doador.
Mas, desde 1999, esse procedimento também passou a ser utilizado pela Odontologia brasileira para reconstituir o osso de pacientes que perderam os dentes, ou seja, para o uso de implantes dentários.
Até então, para esse tipo de situação, usava-se apenas o enxerto ósseo autógeno. Nesse caso, o osso a ser colocado é retirado do próprio paciente. Normalmente é retirado o osso da bacia, chamado crista ilíaca, de regiões infra-orais como o mento (queixo) e do ramo mandibular que fica atrás dos molares inferiores.
Ao contrário do que muitos pensam, o osso transplantado serve apenas para ativar a regeneração óssea do próprio paciente, já que depois de seis meses, já é substituído pelo osso da própria pessoa

10 - Quem não é um bom candidato para receber implantes?

- Gravidez - Crianças ou jovens até que terminem seu desenvolvimento constatado através de Raios-X - Diabetes não controlada - Doenças sistêmicas graves - Pacientes com câncer em tratamento com radioterapia ou quimioterapia, até que o médico que o assiste autorize. - Dependentes químicos - Fumantes (contra-indicação relativa)

11 - Quem sofre de osteoporose está impedido de utilizar implantes?

Apesar de a osteoporose ser uma enfermidade que afeta a qualidade óssea, ela não se manifesta nos ossos maxilar e mandibular não contra-indicando a colocação de implantes.

12 - Qual a idade limite para a colocação de implantes dentários?

Não existe idade máxima. A única limitação é o estado de saúde do indivíduo.

13 - Quais os principais benefícios dos implantes?

- Os implantes podem repor a perda de um dente natural sem a necessidade de desgastar os dentes vizinhos para a preparação de uma prótese fixa ou removível.

- Em casos de próteses removíveis parciais, esta pode ser substituída por próteses fixas, sem prejuízo ou sobrecarga dos dentes suportes naturais. Isto permite um aumento considerável do tempo de vida útil desses dentes, já que há uma melhor distribuição da carga mastigatória entre dentes e implantes.
Além disso, devido ao fato das próteses permanecerem estáveis em sua posição, situações comuns, como irritação das gengivas, dor e insegurança pela falta de estabilidade e retenção de próteses removíveis parciais ou totais, são eliminadas.

- Para desdentados totais, a utilização dos implantes traz imensos benefícios para sua qualidade de vida. A “dentadura” convencional pode ser substituída por prótese fixa sobre implantes, ou por próteses removíveis (overdenture) que apresentam melhor retenção e estabilidade, oferecendo maior conforto e segurança ao seu usuário.


Fale com o especialista Dr. Machado de Carvalho

Voltar

Topo